sábado, 30 de junho de 2012

Louvai ao SENHOR!!


"LOUVAI ao SENHOR. Louvai a Deus no seu santuário; louvai-o no firmamento do seu poder.
Louvai-o pelos seus atos poderosos; louvai-o conforme a excelência da sua grandeza.
Louvai-o com o som de trombeta; louvai-o com o saltério e a harpa.
Louvai-o com o tamborim e a dança, louvai-o com instrumentos de cordas e com órgãos.
Louvai-o com os címbalos sonoros; louvai-o com címbalos altissonantes.
Tudo quanto tem fôlego louve ao SENHOR. Louvai ao SENHOR."

                                                                                                                       ( Salmos 150.1-6)

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Batistas enviam 100 mil voluntários para evangelizar 2,5 milhões em todos os estados do Brasil


A organização evangelística, a Junta de Missões Nacionais (JMM) da igreja Batista Brasileira planeja a sua mega ação evangelística com 100 mil voluntários para evangelizar 2,5 milhões de pessoas, a partir do dia 30 de junho.

Os voluntários dividos em 500 bases operacionais, formando, em média, 6.250 equipes com 16 participantes, a organização informa segundo vídeo promocional da JMM. Serão 50 mil duplas que terão como meta evangelizar 5 pessoas por dia.

“Imagina uma imensa propagação do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo por todos os estados de nosso país. Imagine uma concentração de 100 mil pessoas levando mensagem de transformação e graça por todas as partes de nossa pátria,” dizem os representantes do projeto pelo vídeo.

Os participantes estão no momento recebendo treinamento e capacitação para entrar no campo de atuação. Eles estão aprendendo técnicas de evangelização arrojadas que os permitirão fazer melhor visitação de casa em casa, abordagens nas ruas, trabalho com crianças e ação social.

A ação terá continuade com as igrejas e congregações locais de cada cidade e bairro alcançado, para firmar na fé os novos convertidos, através do discipulado. Haverá também a capacitação de líderes para o fortalecimento e desenvolvimento das igrejas e a plantação de novas igrejas multiplicadoras.

“Participar desse grande desafio é, acima de tudo, demonstrar o seu amor a Deus, possuir uma vida cheia do Espírito Santo, ter uma autêntica paixão pelos perdidos e forte compromisso com a expansão do Reino”, diz a JMM em sua página.
O número de pessoas evangelizadas deverão impactar a nação, segundo preveem os organizadores. “A Bíblia diz que uma alma vale mais do que o mundo todo e que há festa no céu quando o pecador se converte.”

O projeto durará duas semanas com previsão de término no dia 15 de julho.


Para maiores informações entre na página do projeto: www.sejaluz.com



Fonte: The Christian Post

quinta-feira, 28 de junho de 2012

I Encontro Nacional de Blogueiros Evangélicos - 15ª VINACC, em 2013



Ajude-nos a divulgar: em seu blog, no seu twitter, no facebook, no orkut e até no yogurte tá valendo! =)

Mais informações e inscrição para o evento, acesse o post de divulgação da VINACC, clicando aqui. Observe o seguinte: a inscrição custa APENAS R$ 20,00! Isso mesmo: vinte reaus. Como serão quatro palestras, cada uma sairá por 5 reau. Olha o quilate (sem contar os quimordi) dos palestrantes:

Pr. Renato Vargens (ICNA/RJ), Drª. Norma Braga (IPB/CE), Pr. Carlos Roberto da Silva (AD/SP), Pr. Altair Germano (AD/PE), Valmir Nascimento (AD/MT) e Vinicius Pimentel (Voltemos ao Evangelho/SP)
É bênção ou não é? risos

E a programação? Minino, tá de dá nó em pingo d'água e ainda dobrar as pontas! Duvida? Duvide não, homi...

  1. Entendendo a Blogosfera Cristã: A Gênese da blogosfera cristã: como tudo começou; A importância de existir uma blogosfera cristã; Como aumentar e melhorar a blogosfera cristã; A necessidade de qualificação dos blogueiros cristãos; Como potencializar a influência da blogosfera cristã?”
  2. Blogosfera cristã: Ontem, Hoje e Amanhã: Princípios norteadores que devem reger a blogosfera cristã; A blogosfera cristã e o futuro da igreja brasileira; Qual a influência da blogosfera para a Teologia Cristã (Apologética e Cosmovisão). Blogosfera cristã: Focar o mundo, a igreja ou ambos?
  3. Blogosfera cristã: Ontem, Hoje e Amanhã: Princípios norteadores que devem reger a blogosfera cristã; A blogosfera cristã e o futuro da igreja brasileira; Qual a influência da blogosfera para a Teologia Cristã (Apologética e Cosmovisão). Blogosfera cristã: Focar o mundo, a igreja ou ambos?
  4. Do blog para a editora: como fazer posts se transformarem em livro: cases de sucesso”.

O I ENBLOGUE é uma parceria entre a UBE e VINACC, em prol de uma blogosfera cristã de qualidade e relevância perante a sociedade brasileira. A equipe da UBE está trabalhando firme para tornar esse projeto um diferencial na blogosfera cristã.

Pensa que é só isso? Não senhor... risos. Em breve, faremos uma pesquisa para mapear o perfil dos blogueiros evangélicos, e você está convidado de antemão a participar dessa pesquisa quando a lançarmos, ok?

Boas novidades estão a caminho, e você, blogueiro evangélico, será o maior beneficiado. Tudo aquilo que você queria perguntar, mas não sabia a quem, vamos responder no ENBLOGUE! Ok, exagerei... mas, você entendeu !

Tá fazendo o que ainda aí parado? Vai se inscrever e divulgar a bênça fi di Deus!

Postou wally, do blog Desafiando Limites, mais contente que pinto no lixo (#sou_nordestino_sim_sr) vendo um sonho se tornar realidade!

Fonte: www.ubeblogs.net

Corinhos Inesquecíveis: Jesus em Tua presença


Jesus em Tua presença,
reunimo-nos aqui
Contemplamos tua face
e rendemo-nos a ti
Pois um dia tua morte
Trouxe vida a todos nós
E nos deu completo acesso
Ao coração do Pai.

E o véu que separava
já não separa mais
A luz, outrora apagara
agora brilha
E cada dia brilha mais
Só prá te adorar
E fazer Teu nome grande
E te dar o louvor
que é devido
Estamos nós aqui.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Alunos de 80 escolas municipais do Rio de Janeiro terão disciplinas de 4 religiões


Prefeitura realizou concurso para contratação de cem professores de religião, que vão lecionar a partir do segundo semestre nessas unidades
Os pequenos alunos do 1º ao 3º ano do ensino fundamental de 80 escolas da rede municipal podem nem saber, mas voltarão das férias de julho no centro de uma polêmica. A prefeitura já realizou concurso para a contratação de cem professores de religião, que vão lecionar a partir do segundo semestre nessas unidades. O modelo será confessional, ou seja, voltado para cada credo. A princípio, serão 45 docentes católicos, 35 evangélicos, dez espíritas e dez de religiões afro-brasileiras. Apenas os estudantes cujos pais deram autorização, durante a pré-matrícula, terão um tempo de aula por semana da disciplina. Para as outras crianças, haverá “educação para valores” (apresentação de temas ligados à ética e à cidadania) durante o período vago.

A iniciativa da Secretaria municipal de Educação é consequência de uma lei, proposta pelo próprio Executivo, aprovada em outubro do ano passado pela Câmara e sancionada logo em seguida pelo prefeito Eduardo Paes. O texto criou a categoria de professor de ensino religioso nos quadros da rede, abrindo a possibilidade de concurso para até 600 docentes. A regra estabelece que os profissionais contratados “devem ser credenciados pela autoridade religiosa competente, que exigirá formação obtida em instituição por ela mantida ou reconhecida”. É exigido ainda nível superior com licenciatura plena, sem especificação de disciplina.

Tema está em análise no Supremo
Assunto que sempre gera discussões, o ensino religioso chega à rede municipal do Rio ao mesmo tempo em que é discutido no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. Em 2010, a Procuradoria Geral da República entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade contra a União e o Congresso, que ratificaram, através de decreto, o texto de um acordo firmado no governo Lula com a Santa Sé, dizendo que “o ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários das escolas públicas de ensino fundamental”.

Apesar de o mesmo texto do acordo ressaltar que “está assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição”, a procuradoria defende o ensino não confessional, de caráter ecumênico. A principal alegação é que o acordo com a Santa Sé fere a Carta Magna ao violar o princípio da laicidade do Estado. O processo ainda está em análise, tendo como relator o ministro Carlos Ayres Britto.

No Rio, o processo de aprovação da lei foi recheado de discussões. O texto original do Executivo acabou recebendo emendas. O presidente da Comissão de Educação da Câmara, Paulo Messina (PV), afirmou que, por ele, o projeto teria sido derrubado, mas destacou as mudanças obtidas:

— O projeto surgiu de um acordo do prefeito com a Igreja Católica. Ao menos garantimos o caráter plural do ensino, ou seja, se um pai disser que quer que seu filho tenha aula de uma determinada religião, ele tem o direito de exigir isso. Outro ponto importante foi a prioridade para escolas de tempo integral, para que não fossem retirados tempos de outras disciplinas para a introdução do ensino religioso.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o prefeito informou que, para a elaboração do projeto de lei, “houve um entendimento entre diversas denominações, e a Igreja Católica foi uma das grandes parceiras da prefeitura”. A secretária de Educação, Claudia Costin, não quis se pronunciar sobre o assunto. Entre as unidades que terão a disciplina a partir do segundo semestre, estão as escolas municipais República do Peru, no Méier; Canadá, no Estácio; e Capistrano de Abreu, no Jardim Botânico.

Bispo auxiliar e referencial paraensino religioso da Arquidiocese do Rio, dom Nelson Francelino Ferreira defendeu o modelo que está sendo implementado no município:

— A educação tem que estar voltada para o desenvolvimento integral. E o elemento religioso é essencial para a estrutura da pessoa humana. Não pode estar de fora da escola. O Estado deve dar espaço para que esse elemento essencial esteja presente, conforme a crença dos pais dos alunos. O nosso Estado é laico, o que não significa que seja ateu.

Dom Nelson acrescentou que, para os professores católicos da rede municipal, foi pedida formação em teologia:

— Faremos um acompanhamento paralelo para que haja uma formação ecumênica dos profissionais. Estamos atentos para que o ensino religioso não seja usado como elemento de proselitismo. Não é catequese.

Já o coordenador do Observatório da Laicidade do Estado, da UFRJ, Luiz Antônio Cunha, é contra o ensino religioso confessional:

— Há uma espécie de desistência do Estado de assumir suas atividades pedagógicas ao transferi-las para instituições religiosas. Os professores das escolas públicas são pagos por todo o povo, através de impostos, inclusive daquelas pessoas que não têm religião.

Reverendo diz que apoia a iniciativa
Para o reverendo Daniel Rangel, da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, a medida da prefeitura vai ajudar a sociedade carioca a aceitar melhor a pluralidade de religiões:

— Acho positivo porque vai ensinar às crianças não apenas valores éticos ligados à sociedade civil, mas à religião. Vai ser uma oportunidade de a sociedade do Rio aprender a se relacionar com a pluralidade religiosa.

Pela primeira redação da Lei de Diretrizes e Bases, que criou em 1996 as normas atuais da educação, o ensino religioso não poderia trazer ônus aos cofres públicos. Ou seja, a contratação de professores, por exemplo, era vedada. Em 1997, esse artigo foi retirado. Ficou determinado que estados e municípios estabelecessem suas normas, “assegurado o respeito à diversidade cultural e religiosa”.



Fonte: O Globo

O fenômeno dos sem-igreja: Existe diagnóstico para a Igreja evangélica brasileira?


Livro discute a diminuição da experiência religiosa em comunidadeÉ notório o crescimento no número de cristãos evangélicos no Brasil. Em contrapartida, a experiência comunitária na Igreja vem perdendo adeptos, o que gera um fenômeno chamado de “os desigrejados”. Com o intuito de tentar compreender esse fenômeno e de resgatar a importância da comunidade religiosa na vida dos cristãos, Nelson Bomilcar escreveu o livro Os Sem Igreja (Editora Mundo Cristão).

A obra apresenta um diagnóstico preciso da Igreja evangélica brasileira e a necessidade do resgate de suas características mais centrais. O autor, pastor experiente, músico e compositor, acumulou um rico conhecimento sobre o assunto ao longo de suas viagens por todo o país, combinado aqui com sensibilidade e biblicamente fundamentado.

Nos capítulos que compõem Os Sem Igreja, encontram-se confissões, testemunhos e perspectivas diferentes a respeito do exercício de ser comunidade cristã, expondo suas variadas formas. Sobretudo, há uma reflexão bíblica interessante e necessária sobre o desafio do viver comunitário contemporâneo e as implicações da obediência a Cristo.

“Ao viver em grupo, descobertas acontecem, mas nem todas as descobertas são agradáveis e nem todo crescimento é positivo. A igreja é feita do ajuntamento de seres humanos — como isso poderia dar certo?”

Os Sem Igreja trata de tudo isso, com uma linguagem ao mesmo tempo leve e realista. É uma obra que discute as ambiguidades humanas e suas e impotências, levando em conta que a questão da revitalização da Igreja não é um problema do outro, mas um desafio a cada um que reconhece sua importância.

Sobre o autor: Nelson Bomilcar é músico, compositor e pastor. Trabalha com o Instituto Ser Adorador, mentoreando comunidades locais e pastoreando lideranças e músicos pelo Brasil. Fez seus estudos teológicos na Faculdade Teológica Batista, na Faculdade Metodista de São Paulo e no Regent College, em Vancouver, Canadá. Apresenta o programa “Sons do Coração” na rádio Transmundial e é articulista da revista Cristianismo Hoje e do portal de arte Cristianismo Criativo. É casado com Carla e pai de Karen e Nathan. Congrega na Igreja Batista da Água Branca e no No Name (pequeno grupo).



Fonte: Assessoria Lilian Comunica

Grupo de católicos expulsa famílias de indígenas evangélicos depois de destruir suas casas


Uma turfa de católicos tradicionalistas destruiu 19 casas de indígenas evangélicos aos que expulsaram da comunidade Yashtinin, em Chiapas.Um grupo de católicos tradicionalistas inflamado destruiu na quinta-feira passada, 14 de junho ao menos 19 casas de famílias indígenas de evangélicos, colocando fogo a uma delas. Depois lhes obrigou a sair da comunidade Yashtinin, no município de San Cristóbal de Las Casas, em Chiapas.

O único motivo deste ataque dos católicos tradicionalistas é o fato de que estes indígenas são de outra confissão religiosa diferente à católica.

O porta-voz e pastor dos expulsos, Jesús Felipe Hernández, disse na sexta-feira passada, 15 de junho, enquanto abandonavam o povo, que dezenas de pessoas com machados, eixos haviam destruido suas casas e queimaram uma delas . "Tivemos que sair de noite porque tivemos medo de ficar na cidade", disse Hernández. Que acrescenta que seu único delito é “buscar a Jesus e anunciar a nossos irmãos”.

FORÇADOS A NEGAR SUA FÉ

As diferenças religiosas tem estado presentes por anos na etnia tzotzil, mas cresceram há alguns dias quando um grupo de católicos ameaçou com expulsar do povo aos evangélicos se não rejeitassem sua fé protestante e se juntassem publicamente ao catolicismo e seus costumes.

O provocante foi um culto celebrado no domingo passado,10 de junho na igreja local Maranatha, quando os "católicos tradicionalistas” os fecharam em uma prisão rural pelo simples fato de celebrar o ato religioso, “uma celebração que está permitida nas leis mexicanas, e na Bíblia”, recorda Hernández. Depois de serem libertos na segunda-feira, 11 disseram às famílias que não tinham mais direito a permanecer na comunidade.

Uns 40 indígenas de seis diferentes familias integrantes da igreja Maranatha se negaram a obedecer esta exigência, diante disto (assegura Hernández) seus oponentes católicos lhes deram um ultimato para abandonar Yashtinin em três dias, algo ao que finalmente tiveram que submeter-se na sexta-feira pasaada, 15 de junho .

Disseram que se não se fossemos por própria vontade "íriamos ser amarrados, queimados vivos e as mulheres e meninas iriam a ser violadas", explica Hernández.

SEM JUSTIÇA MAS COM AJUDA HUMANITÁRIA
As famílias evangélicas se foram refugiar no Centro Comunitário La Albarrada na cabeceira municipal de SanCristóbal das Casas desde onde demandam aos governos federal e estatal justiça.

A Secretaría de Povos e Cultura Indígenas do Estado levaram alimentos, medicinas e roupas ao refúgio onde se encontram os evangélicos mas nenhum funcionário se aproximou a Yashtinin porque consideram que não tem condições de segurança.

SOS DE ENTIDADES EVANGÉLICAS
O pastor Esdras Alonso González, representante evangélico, afirmou que a recente agressão de católicos tradicionalistas a companheiros evangélicos agrava o conflito de intolerância religiosa. O representante dos povos evangélicos em Los Altos de Chiapas, Edras Alonso, fez um chamado urgente às autoridades estatais a atender essa e outras comunidades indígenas onde os conflitos religiosos estão ainda mais difíceis.

"Não é a primeira vez que está sucedendo, existem agressões, ameaças contra homens e mulheres de matar, e de violar. Se assinaram acordos com os católicos para respeitar as crenças religiosas, mas nas comunidades não se respeitam", disse Alonso.

Também declarou que os "caciques" sempre estiveram contra os evangélicos somente por professar uma fé diferente à tradicionalista católica, pelo que tem diversas comunidades do município de San Cristóbal de las Casas e outros da região onde se suspenderam os serviços de água e luz a famílias não católicas, o qual, é uma reclamação que "devería castigar-se segundo nossas leis".

Fez também saber que em Los Llanos, municipio de San Cristóbal, e em Chilil municipio de Huixtán também tem atropelos contra evangélicos, que se soma a de Yashtinín. Afirma que se trata de uma perseguição atroz, que já não deve prevalecer em Chiapas nem em nenhuma parte do país e que a proíbe a Constituição Política dos Estados Unidos Mexicanos.



Fonte: Protestante Digital

5 passos no processo de decadência da igreja


1 – Cegueira. Falta de visão. O primeiro passo não é muito chocante ou visível. Os líderes podem ser homens de Deus, com amor pelo Senhor e sua causa, mas não têm visão e não conseguem passar senso de paixão por Deus para a próxima geração. Como Eli, estão cegos (1 Sm 3.2). Os filhos dele se tornaram filhos de Belial, instrumentos de Satanás e não conheceram o Senhor (1 Sm 2.12).

2 – Obesidade. A liderança começa a participar indevidamente das ofertas do povo feitas para o Senhor (1 Sm 2.13-17). Os filhos de Eli tiravam a parte do sacerdote antes da hora certa e de forma errada. Deus repreendeu Eli: “Por que desprezais o meu sacrifício e a minha oferta… e por que honras a teus filhos mais do que a mim, de modo a vos engordardes do principal de todas as ofertas do meu povo Israel?” (1 Sm 2.29). No fim, Eli morreu também por causa do seu peso, quando ouviu as notícias sobre a tomada da arca pelos filisteus e caiu da cadeira para trás e quebrou o pescoço (1 Sm 4.18).

3 – Passividade e apoio do povo de Deus à corrupção dos líderes. “Coisa espantosa e horrenda tem-se feito na terra: os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam por intermédio deles; e o meu povo assim o deseja” (Jr 5.30,31). “Pois este é um povo rebelde, filhos mentirosos, filhos que não querem ouvir a lei do Senhor; que dizem aos videntes: Não vejais; e aos profetas: Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, e profetizai-nos ilusões; desviai-vos do caminho, apartai-vos da vereda; fazei que o Santo de Israel deixe de estar perante nós” (Is 30.9-11). É fácil criticar os líderes e falsos obreiros. Mas , a verdade é que o povo tem os líderes que merece. O povo tem desejo egoísta e idólatra e acha bom a liderança ser folgada com a lei de Deus porque isso lhe dá direito de fazer o mesmo.

4 – Tentativa de produzir uma imitação da presença de Deus. Depois de todos os passos anteriores, as pessoas ficam tão desacreditadas que sentem a necessidade de produzir um senso da presença de Deus. Israel estava perdendo as batalhas diante dos filisteus. Daí resolveram pegar a arca, que representa a presença deDeus, e levá-la como um amuleto para a batalha, acreditando que isso bastaria para dar-lhes a vitória. Diante da derrota, fizeram a pergunta certa: “Por que nos feriu o Senhor hoje diante dos filisteus?” (1 Sm 4.3) mas não esperaram a resposta. Muitas vezes, sabemos como Deus age e mesmo quando Deus não está presente, fabricamos uma imitação da sua presença. Manipulamos os sentimentos do povo, criando uma sensação de que Deus está presente quando não está. Quando a arca chegou, “prorrompeu todo o Israel em grandes gritos, de modo que a terra vibrou” (1 Sm 4.5). Avivamento falso, forçado, fabricado pelo homem! Os filisteus ouviram o som e ficaram atemorizados! Disseram: “O que aconteceu com esse povo? Derrotamos eles ontem e hoje estão se regozijando?” Em Isaías 1, Deus deixa bem claro que ele não quer reuniões e rituais religiosas sem arrependimento sincero e mudança de atitude. E aí vemos que Deus teve coragem de deixar os filisteus tomarem a arca e houve uma derrota fragorosa do povo de Deus.

5 – Icabode – foi-se a glória! A arca nunca mais volta para Siló! A arca volta da terra dos filisteus para a casa de Abinadabe e aí começa o ministério ativo de Samuel (1 Sm 7.1-4). Mas Deus não falou para ele levar a arca de volta para lá. Deus quer um lugar novo. Ele rejeita permanentemente o lugar onde ocorreu todo esse processo de declínio e apostasia. Agora é necessário se levantar um homem segundo o seu coração, Davi, para achar um lugar para a arca.


Fonte: Harold Walker na Revista Impacto

Brenda Gabriela: menina desaparecida em igreja é reencontrada


Ao final da tarde de segunda-feira, 25 de Junho, a garota Brenda Gabriela foi encontrada pela Polícia Militar. Minutos antes dos soldados chegarem a criança era carregada nos braços por um desconhecido, aparentemente morador de rua.

Alex Ramos de Carvalho, respositor de lanchonete, vizinho de Brenda, a reconheceu e correu em sua direção, perguntou seu nome e ela confirmou ser quem é balançando a cabeça, conversou com o homem que a detinha em seu colo dizendo que a conhecia e conhecia a família dela, ele negou e disse que era o pai, então o comerciante pediu aos colegas que chamassem a polícia e ligou também, quando a menina foi posta no chão e o desconhecido fugiu. 

A PM recebeu ligação do rapaz que a reconheceu, no número telefônico 190, e se dirigiu à Rua Vergueiro, nº 1219, Vila Mariana, no bairro Paraíso, na zona sul da cidade de São Paulo. Segundo um policial militar, a garotinha estava próxima de uma lanchonete, tremia de frio e cheirava urina. 

Testemunhas contaram que ela era vista circulando dentro de uma carroça puxada por um homem. A carroça foi encontrada horas depois pela polícia, dentro estavam objetos de uso infantil. 

A menina de 4 anos havia desaparecido no último dia 10 na região do Glicério, centro da capital paulista , durante evento festivo da Igreja Pentecostal Deus é Amor. A IPDA fez campanha na Internet, sites e parte da Blogosfera Evangélica, inclusive o UBE Blogs - Menina de 4 anos desaparece durante evento na Igreja Deus é Amor - como também programas seculares de televisão, transmitidos na praça paulistana, divulgaram o caso, que já era considerado pela polícia como rapto.

O site oficial da Igreja Deus é Amor informa o reaparecimento da criança e agradece pelas orações e ajuda na procura. 

A mãe Geiza Maria da Silva, empregada doméstica então desempregada, emocionou-se muito ao rever a filha, com ela nos braços chorou e agradeceu a Deus pelo reencontro, ocorrido no 5º Distrito Policial.

Os cabelos da garota foram cortados pela pessoa que a raptou. Exames prelimirares no Hospital Pérola Byington atestam que a menina não foi molestada sexualmente.

Que bom, final feliz! "A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos"- Tiago 5.16 b.

E.A.G.

terça-feira, 26 de junho de 2012

A DOUTRINA DOS REFORMADORES




Foi sobre a tese do auto-testemunho da Bíblia que os Reformadores arquitetaram a sua teoria da Sagrada Escritura, precisamente porque antes e acima de tudo a sua teologia era uma teologia de fé-uma teologia revelada. Daí, o ponto de partida: a resposta da fé ao problema da mensagem bíblica, que aceitaram ipsis verbis e, em obediência à mesma, procuraram compreender a Bíblia, tal como a Bíblia se compreendia a si própria. Como se viu, o método da Reforma é considerado ilegítimo e fútil por todos os que julgam que a teologia deve assentar em bases puramente racionais. Mas os Reformadores foram teólogos da fé, utilizando apenas a razão em resposta e em obediência à revelação divina. Isto queria dizer que esses teólogos se comprometiam na fé a receber o testemunho da Palavra de Deus, mesmo no que se refere à sua existência e à sua natureza.

Os Reformadores acreditavam, pois, que a Bíblia fora outorgada por Deus, e nessas condições pelo mesmo Deus inspirada, tanto no conteúdo como na forma. Não que dessem qualquer passo fundamental, pois a Igreja da Idade Média seguia o mesmo ponto de vista; mas o certo é que em todas as suas obras, fácil é verificar uma aceitação total da inspiração e da autoridade da Bíblia. É o que se verifica, mesmo no caso de Lutero, assaz livre na utilização dos textos e na crítica de algumas seções individuais. Procura saber-se agora se Lutero era um crítico primitivo ou então o que aceitou, como inspirada, era não a redação da mensagem, mas apenas a mensagem, e nada mais. Diz-se que a opinião de Lutero era dos autênticos Reformadores, mas que pouco a pouco adulteraram-na alguns sucessores legalistas. Contra este modo de ver, porém, é de notar que Lutero freqüentemente exaltava a letra da Escritura e que, na maioria dos casos, a liberdade de crítica se estendia aos livros de cuja canonicidade tivesse sérias dúvidas. Dum modo geral, Lutero não foi além dos seus colegas Reformadores em matéria de assuntos bíblicos.

Apesar da inspiração e da autoridade, a Bíblia era já por si só suficiente em matéria de fé e de conduta. Seria exagero afirmar-se que os Reformadores arvoraram a Bíblia em única autoridade da Igreja; mas pode dizer-se que a consideraram suprema autoridade, da qual derivaram todas as outras autoridades, que por isso lhe estão sujeitas. Como outorgada por Deus, nada lhe é estranho no que respeita à salvação e à vida dos cristãos. Toda a base da doutrina e da crença da Igreja deve assentar num texto bíblico, ou em nítida dedução do mesmo. Os calvinistas foram mais longe, aproveitando-se da Bíblia para a organização do culto da Igreja, coisa que não fizeram os luteranos e os anglicanos, negando autoridade aos livros sagrados em tal matéria, ou seja, admitindo apenas o que não repugnasse às Escrituras.

A razão da insistência em tal supremacia da Bíblia, residia na preocupação em eliminar a doutrina medieval da autoridade da tradição e da Igreja em pé de igualdade com a Sagrada Escritura. Deu-se um outro passo em frente e na mesma direção, ao afirmar-se que a Bíblia tem de ser interpretada somente no sentido literal e não em conformidade com o quádruplo esquema da exegese medieval. Isto não quer dizer que seja impossível introduzir um outro sentido metafórico ou simbólico naquilo que, na realidade, não passa duma metáfora ou dum símbolo. Apenas se pretendia evitar um sentido literal exagerado nas afirmações vulgares da Escritura, a não ser que a própria Bíblia o determinasse expressamente, como por exemplo, interpretando a passagem do Mar Vermelho como uma figura do batismo, ou referindo a Cristo o sacerdócio do Velho Testamento. Permitiam-se comparações e imagens para edificação do espírito, mas não lhes era reconhecida qualquer autoridade em matéria de fé e de prática. Se, porventura, surgissem dificuldades de interpretação, buscar-se-ia uma solução adequada dentro das próprias Escrituras, de maneira que os textos mais obscuros pudessem ser compreendidos à luz de outros de mais fácil interpretação. Por duas razões era de certo relevo esta exegese: primeiro, porque se evitavam muitas confusões originadas pelo esquema medieval, de maneira a tornar possível a criação duma teologia genuinamente bíblica; em segundo lugar, porque eliminavam os intérpretes oficiais da Bíblia, os únicos que sabiam manejar a complicadíssima máquina do esquema quádruplo.

Os Reformadores aceitaram a inspiração e a autoridade de todas as partes da Bíblia canônica, embora a cada uma delas não fosse atribuído o mesmo grau de importância. O fato de se insistir na inspiração de toda a Bíblia canônica, tinha em vista alguns anabatistas, que não admitiam a inspiração de alguns livros do Velho Testamento. Mas os Reformadores depressa compreenderam que o Velho Testamento é uma parte essencial e importantíssima que dá testemunho de Jesus Cristo e da Verdade que nos salva. Daí o lembrarem que a doutrina moral do Velho Testamento é eternamente válida como expressão da vontade de Deus ao Seu Povo. Os princípios teológicos em que se assentam as relações de Deus com Israel são as mesmas em que se baseiam as Suas relações com os cristãos e com a Igreja Cristã. O Velho e Novo Testamento completam-se: um é a preparação, o outro a realização.

Todas as partes da Bíblia são dotadas de inspiração e de autoridade, -afirmam os Reformadores-mas nem todas do mesmo modo. A legislação mosaica do Levítico não tem o mesmo valor espiritual ou teológico que o Evangelho de João, ou até mesmo o Decálogo. De certo modo a Bíblia, podemos afirmá-lo, é semelhante à Igreja, como o corpo de Cristo. Todos os membros constituem o corpo e pertencem-lhe necessariamente, embora seja diferente a importância de cada um deles. Uns são mais utilizados que outros; uns de maior importância vital que os outros, de maneira a serem indispensáveis à subsistência do corpo. O mesmo se dá com a Bíblia. Embora sejam prejudiciais possíveis alterações, há que concordar que umas partes não são tão indispensáveis como outras. Recebida a mensagem do Evangelho, podemos ser cristãos só com um fragmento da Escritura; mas cristãos perfeitos, completos, totais, só por mercê e graça de Deus.

Surge, todavia, uma dificuldade, ao procurarmos distinguir entre a maior ou menor importância dos diferentes textos, pois algumas considerações meramente subjetivas ameaçam restringir ou talvez falsear a nossa maneira de ver. Tanto Zuínglio como Lutero foram autores de preciosas regras, que não diferem muito entre si: a importância dum texto depende da medida em que serve para aumentar a glória de Deus e revelar e exaltar Jesus Cristo. É por isso, que algumas partes da Bíblia fazem-no mais claramente que outras, em princípio consideradas como textos importantes da Escritura. Em resumo, todo o Livro Sagrado é de certo modo orientado para este duplo fim.

Os Reformadores acentuaram a importância da letra da Bíblia, mas não à custa da soberania do Espírito Santo na aplicação e no uso da sua mensagem. Na opinião dos Reformadores o Espírito Santo não era apenas o autor da Escritura, pois também determinou a aplicação da mesma àquele duplo fim, e deu ao crente uma persuasão interior da autoridade daquela mensagem como verdade revelada. Quanto ao primeiro destes pontos nada há a acrescentar, a não ser o seguinte: enquanto se admite a clareza dum texto bíblico, de fácil compreensão, portanto, por outro lado, para uma compreensão mais profunda, mais íntima, algo mais é necessário que a simples inteligência racional. Para bem se apreender a Escritura, requer-se aquela luz do Espírito Santo, que é para o indivíduo o complemento indispensável da revelação exterior de Deus.

Alguns teólogos modernos consideraram esta luz como verdadeira inspiração de acordo com a opinião dos Reformadores, ou seja, que a Bíblia é inspirada apenas enquanto o Espírito Santo se serve deste ou daquele texto para iluminar o crente. Mas na mente dos Reformadores parece haver mais de um vestígio que possa identificar a iluminação individual com a inspiração como tal. A Bíblia é um documento inspirado da revelação divina, quer este ou aquele indivíduo receba ou não o seu testemunho. A revelação e a sua manifestação duma forma escrita constituem ações objetivas. A iluminação pelo Espírito Santo é o complemento subjetivo destas ações no íntimo do crente e para a salvação deste. E como é Deus o Espírito Santo que nos dá o documento objetivo, também é Ele que efetua a iluminação subjetiva. Daí que a mensagem e a aplicação da mensagem pertencem ambas a Deus.

O fato de existir aquela iluminação interna é a suprema garantia da autenticidade do documento, quer na doutrina geral, quer no testemunho que apresenta de si próprio. Embora os Reformadores aceitassem a Bíblia pela fé, não desconheciam os problemas racionais que poderiam surgir, se bem que em nada se parecessem com os que atualmente se levantam. Muitas razões podiam já ser apresentadas a comprovar o bom acolhimento dado aos Livros Sagrados. Como Calvino, recorreriam às características que os assinalam como documento inspirado: a dignidade, o estilo literário, a antigüidade, a combinação da profundeza e simplicidade de conceitos, o poder de narração, a exatidão na previsão do futuro, etc.. Mas em última análise a razão profunda e real da crença é aquele conhecimento íntimo da verdade da Escritura, que necessariamente se encontra presente quando o Espírito Santo aplica à alma essa verdade. Quanto ao testemunho pessoal da Bíblia há a acrescentar a garantia íntima do Espírito Santo. Mas aquele argumento é racional apenas para o crente. Por outras palavras, a verdade do testemunho bíblico não pode ser apenas questão de debate intelectual ou acadêmico. É a experiência, é o íntimo de cada um que fala. É a fé, que supõe o Espírito Santo.

E foi assim, ao aceitar a supremacia do Espírito Santo, que os Reformadores se defenderam do literalismo morto e do racionalismo escolástico na sua interpretação das Escrituras, mantendo um alto conceito da Bíblia e da sua inspiração. É que acreditavam na Bíblia como verdade inspirada, e como a Palavra que o Espírito Santo nos confiou; palavra essa, que merece todo o nosso respeito e obediência. Sempre frisavam que Deus é Autor da Escritura, e a Voz divina que ouvimos, ao lermos os Sagrados Livros. É que a Bíblia é mais que um simples livro acadêmico da verdade divina, um Euclides da Fé Cristã. O texto não é apenas dado por Deus, mas por Deus, seu Autor, é aplicado. Devemos, pois, respeito e obediência à Bíblia, não por ser letra fixa e estática, mas porque, sob a orientação do Espírito Santo, essa letra é a Palavra viva do Deus vivo dirigida não só ao crente individual mas à Igreja em geral.

- Léo Moura mergulha fundo na fé



Leonardo Moura mergulhou de cabeça no cristianismo e, agora, é um novo homem. Batizado, neste sábado, pela Igreja Batista, o lateral diz ter entregue a sua vida nas mãos de Deus.

O jogador, modificado por sua crença, prega paciência para voltar aos gramados curado da lesão na coxa esquerda e tem fé na renovação de contrato com o Flamengo, onde quer encerrar a carreira e, quem sabe um dia, exercer outra função.

“Foram 33 anos da vida antiga e daqui para frente é uma vida nova. Espero que seja melhor do que antes. Não posso reclamar da minha vida antes da Igreja, mas espero que daqui por diante seja melhor, junto à minha família”, disse Léo Moura, logo após o batismo.

A emoção acompanhou o camisa 2 da Gávea do início ao fim. Concentrado como se fosse entrar em campo para uma decisão, ele admitiu o nervosismo, enquanto ouvia as explicações do pastor Josué, misturado às outras 66 pessoas que iam ser batizadas.

Entre os fiéis, de beca branca, o famoso jogador quase se torna anônimo. Na chamada, atendeu por Leonardo da Silva. Durante o culto que precedeu o batismo, no entanto, quebrou o gelo e foi o primeiro a atender o chamado do bispo para dar o testemunho da transformação que a fé fez na vida de cada um.

“Graças a Deus nunca tive uma vida ruim, mas nunca fui feliz como sou hoje. Uma vez, em Brasília, numa tarde de autógrafos num shopping, havia uma fila com mais de mil pessoas. Duas senhoras se aproximaram, e uma falou: ‘Não vim pegar autógrafo ou tirar foto. Vim lhe dizer que Deus tem uma grande obra para a sua vida’. Hoje, tenho certeza que essa obra vai se realizar. Não quero mais largar essa vida”, discursou Léo Moura, sem conter as lágrimas.

Durante toda a cerimônia, o lateral só se destacava dos demais por causa dos pedidos para tirar fotos. Após o culto, seguiu em fila até a piscina e aguardou a sua vez de ser batizado. Primeiro, uma pessoa com dificuldade de locomoção, crianças, famílias e mais alguns grupos. Quando chegou a vez de Léo Moura entrar na água, outros cinco fiéis também o acompanharam.

O pastor pergunta a todos se confirmam que “Jesus é o único e suficiente salvador” para cada um deles. Depois do mergulho, Léo Moura mais uma vez chorou. Além dele, Rafinha e Caio, das divisões de base, também foram batizados. Mattheus, filho de Bebeto, não pôde participar porque foi relacionado para o jogo de hoje, contra o Grêmio. Mas seu pai, tetracampeão do mundo, esteve presente.


Fonte: O Dia

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Era uma vez uma árvore, no meio de uma floresta.



Era uma vez uma árvore, no meio de uma floresta. 
Ela era uma árvore muito pequena, de galhos muito frágeis, mas sonhava ser grande e dar muitos frutos. 
O tempo foi passando, seu caule engrossou e suas folhas se multiplicaram. 
Um belo dia, ela perguntou à sua mãe quando é que os frutos viriam. 
-Oh! Meu amor! Não somos árvores frutíferas. Somos só assim mesmo... 
E a árvore chorou, porque não tinha nada pra oferecer. 
Via as pessoas apanharem frutas de suas companheiras, e até folhas medicinais, enquanto ela vivia ali, parada, inútil. 
Até que ficou tão triste que teve vontade de morrer. 
Suas folhas, então, foram murchando. 
Seus galhos começaram a secar. 
Ela foi ficando cada vez mais curvada, seca, e, no silêncio de sua dor, ouviu um pássaro piar: 
-Por favor, Dona Árvore! Não faça isto. Minha esposa está chocando nossos filhotes, aqui neste seu galho. Se ele cair, que será de nós? 
Espantada, ela começou a prestar atenção em si mesma. 
E passou a reparar quantos seres moravam nela. 
Tinha uma família de micos-leões. 
E mais uma casinha de João-de-barro. 
E mais uns besouros. 
Uma orquídea em botão, presa ao seu tronco, sussurrou: 
-Espere um pouco mais, para ver a surpresa que vou lhe fazer! 
Então ela viu as abelhas que se tinham alojado num vão entre suas raízes, onde fabricavam mel saboroso. 
E viu uma família de pessoas almoçando à sua sombra. 
E só então ela conseguiu ouvir a voz de Deus em seu coração, dizendo: 
-Nem todas as árvores têm frutos para dar. Porém alguma, como você, pode ter muito mais a oferecer... 
A árvore, com aquele pensamento, recuperou a vontade de viver, ficando saudável em poucos dias. 
Assim, ela pôde festejar quando os passarinhos nasceram, e a orquídea logo se abriu. 
Muitas gerações de crianças já construíram casas e balanços em seus galhos firmes e fortes. 
Esta é uma de suas grandes alegrias! 
E até hoje ela está lá, dando cada vez mais sombra, sustentando cada vez mais vidas, feliz por ter encontrado sua verdadeira razão de viver.

Via orkut do Pr. Manoel Correia.

sábado, 23 de junho de 2012

Acontece em Missões: Governo ordena a demolição de 20 igrejas na Indoné...

Acontece em Missões: Governo ordena a demolição de 20 igrejas na Indoné...: Um prefeito ordenou a derrubada de 20 igrejas, na Indonésia. Outras 16 igrejas menores foram fechadas no mesmo distrito, no mês passad...

Missionário de igreja evangélica é acusado de abusar de menores durante retiro

Por volta das 15hs de segunda-feira (18) a guarnição da Base de Patrulhamento Comunitário 04, composta pelos policiais militares Anderson, J. Barros, P. Roberto e Ezequiel deslocaram-se a 12ª Rua do Setor 11 atender a uma ocorrência de tentativa de estupro.

Chegando ao local entrou em contato com a mãe da vítima F.C.O, 15 anos, a qual relatou que há aproximadamente 30 dias atrás, aconteceu um retiro espiritual da igreja “ Deus é a Verdade”, onde a menor participou.

Segundo a menor a mesma participava do retiro espiritual, quando Antonio Nilson Freitas do Nascimento, que se identifica como missionário da Igreja Internacional “Fogo e Poder”, começou a assediar sexualmente as meninas menores que participavam do retiro entre elas a menor F.C.O, que afirmou Antônio durante o referido retiro se aproximou dela e começou a tentar convencê-la a ter relações com o mesmo, como não satisfeito o mesmo veio a passar a mão primeiramente na mão da menor e posterior no órgão sexual da mesma, de forma a acariciar.

A menor informou que assustada e com muito medo não o denunciou antes, informou também que depois do fato ocorrido, Antônio tentou continuar a ter algum contato com a mesma através de telefonemas convidando a mesma para dar “uma voltinha”, com a intenção de manter relação sexual.

A menor informou ainda que não foi a primeira menina da igreja com quem o Antônio tentou manter relação, que durante o referido retiro espiritual e também na igreja onde os mesmos frequentam, Antônio tentou assediar algumas meninas, tendo feito relação sexual com uma delas.

Na tarde desta segunda-feira (18) Antônio na compania de Francisco Antonio Leite de Almeida, 37 anos e Wanderson Maia Pereira, 23 anos se dirigiram ao local supra citado, onde o genitor da vítima estava trabalhando, para conversar e tentar resolver a situação, quando dado momento Antônio veio a ameaçar o genitor da vítima, dizendo que ele tomasse cuidado porque não sabia com quem estava mexendo e que o mesmo já foi bandido e sabe como resolver a situação caso o mesmo o denunciasse.

Segundo informações prestadas pelos mesmos e constadas na ocorrência policial de número 2890-2012 na 2ª Delegacia de Polícia Civil de Ariquemes neste domingo (17) houve na igreja onde todos frequentam “Deus é a Verdade”, uma reunião para resolver a situação e abafar o caso para não sair de dentro da igreja, onde o pastor responsável propôs a todos que ficassem calados e resolver a questão dentro da igreja.

Diante dos fatos todos os envolvidos foram apresentados na Delegacia de Polícia Civil de Ariquemes para medidas cabíveis.

DA REDAÇÃO

Salientamos aos leitores que este é um fato isolado, a Igreja “Deus é a Verdade” aqui mencionada, como as demais igrejas nada tem a ver com o caso, que como em qualquer outra instituição existem pessoas boas e ruins e infelismente estas pessoas ruins, sendo a menoria sujam o nome da instituição que tem como objetivo pregar a palavra de Deus e salvar vidas.


Fonte: Em Rondônia

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Ex-pastor que abandonou o cristianismo escreve carta aberta à igreja presbiteriana afirmando sofrer perseguição




O ex-pastor presbiteriano Josimar Álvaro dos Santos divulgou uma carta aberta à comunidade presbiteriana de Jaguapitã para revelar que tem sofrido perseguição por ter abandonado sua fé.

Em sua carta, Santos afirma que sua escolha não aconteceu de forma repentina: “Não acordei numa bela manhã de sol e decidi me tornar um agnóstico, foi um processo difícil! A cada descoberta ou a cada desconstrução produzida nesta busca, eu sentia um aperto no peito ao mesmo tempo que tal conhecimento me deslumbrava”.

A carta aberta, publicada no site ateu Bule Voador, traz a revelação que por conta de sua mudança, tem sido “repudiado” por evangélicos da cidade de Jaguapitã.

-Acreditei com devoção em tudo que pregava. Desejava intensamente formar uma igreja verdadeiramente bíblica, que honrasse a Deus em sua prática, mas, infelizmente, nunca consegui tal proeza. A igreja nunca se permitiu ser pastoreada de fato e sua liderança nunca esteve à altura de seu próprio discurso. Uma prova disso é a sede de sangue que algumas delas demonstraram possuir ao promoverem uma matéria repugnante contra mim num jornal da cidade e, como se não bastasse, distribuir panfletos pela cidade com o mesmo conteúdo – revela o ex-pastor Santos.

O agora Diretor de Cerimônias Humanistas da Liga Humanista Secular do Brasil (LiHS), uma entidade que congrega ateus e agnósticos formadores de opinião, afirma que um dos grandes motivos para abandonar sua fé foi a adesão doutrinária da Igreja Presbiteriana ao Calvinismo: “Desculpem-me pela sinceridade, mas cansei-me de servir uma igreja que ostenta ideais calvinistas, que crê na dupla predestinação, uma doutrina que afirma que Deus cria algumas pessoas já predestinadas ao inferno e outras ao céu”, frisa Santos.

Confira a íntegra da “Carta Aberta à Comunidade Presbiteriana de Jaguapitã”, escrita por Josimar Álvaro dos Santos:

Sei que é difícil de entender e até mesmo de aceitar que um pastor que alcançara muitas vidas para Jesus, agora apareça negando tudo aquilo que outrora pregava. Quero deixar claro que ninguém faz isso porque acha legal negar as coisas. Jamais quis ser repudiado por meus amigos e admiradores. Não acordei numa bela manhã de sol e decidi me tornar um agnóstico, foi um processo difícil! A cada descoberta ou a cada desconstrução produzida nesta busca, eu sentia um aperto no peito ao mesmo tempo que tal conhecimento me deslumbrava.

Muitos religiosos quando são confrontados com novos pensamentos, decidem fechar os olhos para não perderem o que construíram até o momento. Nas faculdades teológicas denominacionais, para que os alunos não sejam despertados ao conhecimento secular e ao livre pensamento, dificulta-se a leitura de livros progressistas e “liberais” afirmando que tais literaturas são perigosas e heréticas.

Minha conversão ao protestantismo se deu pelo intenso desejo da verdade. Sempre desejei ter encontrado na Igreja Presbiteriana a mais pura das verdades. Nunca fui desonesto com minha igreja devido minhas dúvidas em relação a algumas questões. Dúvidas todos temos e muitas delas não manifestamos para não colhermos os frutos amargos de árvores fundamentalistas.

Acreditei com devoção em tudo que pregava. Desejava intensamente formar uma igreja verdadeiramente bíblica, que honrasse a Deus em sua prática, mas, infelizmente, nunca consegui tal proeza. A igreja nunca se permitiu ser pastoreada de fato e sua liderança nunca esteve à altura de seu próprio discurso. Uma prova disso é a sede de sangue que algumas delas demonstraram possuir ao promoverem uma matéria repugnante contra mim num jornal da cidade e, como se não bastasse, distribuir panfletos pela cidade com o mesmo conteúdo.

Sofri muito ao tentar construir uma igreja minimamente decente. Poucos eram os membros dispostos a isso, os quais sempre agasalharei em meu coração, mesmo que me desconsiderem hoje.

Minhas decepções com a igreja me fizeram retomar a busca pelas respostas das questões polêmicas dos tempos de faculdade e de outras que foram surgindo durante minha vida pastoral. Foi então que conheci Nietzsche, filho e neto de pastor. Um filósofo que conhecia profundamente a bíblia e a teologia. Nietzsche me apresentou respostas consistentes e libertadoras através do seu O Anticristo e o Humano demasiado humano, que me salvaram do medo e da insegurança. Depois dele vieram outros como Schopenhauer, Bertrand Russell, Sócrates, os pré-socráticos e muitos outros. Até mesmo nossos contemporâneos, Richard Dawkins e Michel Onfray têm me influenciado muito. Claro que foram leituras muito superficiais, mas suficientes para trazerem respostas que não adquiri durante meus anos de leituras religiosas.

Alguns grupos também foram importantes nesse processo de mudança. O grupo irreligiosos, a LiHS (Liga Humanista Secular) e o The Clergy Project (Projeto Clero), criado pela Freedom From Religion Foundation e a Fundação Richard Dawkins. Todos tiveram um papel fundamental em minha vida nesse recomeço.

Desculpem-me pela sinceridade, mas cansei-me de servir uma igreja que ostenta ideais calvinistas, que crê na dupla predestinação, uma doutrina que afirma que Deus cria algumas pessoas já predestinadas ao inferno e outras ao céu. Numa definição simplista, que somos seres desprovidos de escolhas, incapazes de tomarmos nossas próprias decisões. Uma teologia que diz que o ser humano faz tudo o que Deus já predeterminou e nada mais. Não deixando espaço algum para o livre arbítrio. Me cansei de buscar uma explicação para isso. Não posso conceber a ideia de um deus que cria seres pensantes para proibi-los de pensar, criativos para proibi-los de criar e com corações para proibi-los de amar como bem entenderem. Não posso mais me alimentar de conceitos que subestimam a inteligência humana e que condenam aqueles que simplesmente balbuciam algumas contestações.

Estou enfastiado desse pensamento que julga como maior pecado o espontâneo ato de duvidar. Nunca olhei para a dúvida como sendo pecado, apenas como um ato de prudência e sobriedade. Posso afirmar que em minha caminhada como religioso nunca encontrei pecado mais malévolo que os dogmas. O dogma é o pai da intolerância, o fomentador de discórdias e guerras.

Sei que existem correntes que acreditam no livre arbítrio, mas isso só piorou minha situação. Não conseguia entender a bíblia apresentando um deus diferente a cada escorregar de versículos. Quem estuda a bíblia sabe do que estou falando. Em toda sua extensão ela apresenta um deus camaleão, que muda de “cor” conforme muda o agente do discurso.

Me indigna o fato de todas as denominações religiosas afirmarem que detêm a prerrogativa da verdade absoluta sobre a vida. Hoje as vejo como uma casa de almas pobres e ignorantes, que não conseguem ver que a única verdade absoluta é que não há verdade absoluta ao alcance dos nossos olhos. Se existe uma teia de pensamentos absolutos sobre a vida, ela transcende ontologicamente.

No divino retratado pelo humano, Hegel já dizia que este tem em sua natureza contradições, que está constituído de duas forças que determinam movimentos de direções opostas que existem ao mesmo tempo e resultam em um terceiro movimento de uma nova direção. É o problema da dialética da teodicéia, onde encontramos uma tese e uma antítese. A tese bíblica afirma que Deus é absolutamente bom em sua natureza, que não há maldade em seu pensamento, nem pecado em suas atitudes e que jamais criaria o mal. Também sustenta que ele é um ser onipotente, onisciente e onipresente, e que nada acontece no mundo senão pela sua soberana vontade. A antítese contrapõe esse argumento, deduzindo que, se tudo que existe, só pode existir pelas mãos de Deus, então Deus criou o mal e se não deseja eliminá-lo, ele próprio é mau. Mas como já dizia Hegel, duas proposições contrárias não podem ser verdadeiras ao mesmo tempo. Uma proposição precisa ser eliminada, pois elas se contrapõem. Um novo movimento de uma nova direção se faz necessário diante desse dilema e é claro que esse novo movimento precisa ser construído fora do mundo bíblico e religioso.

Este nó, que os teístas judaico-cristãos não conseguem desatar é mais uma prova que o ser humano é incapaz de definir deus e seus atributos e que a bíblia, efetivamente, reverbera suas antinomias. Habacuque que o diga! Em Hc.1:13 ele deixa transparecer seu conflito quanto à teodicéia: “tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal e a opressão não podes contemplar; por que, pois, toleras os que procedem perfidamente e te calas quando o perverso devora aquele que é mais justo do que ele?”

Foi este conflito filosófico que me fez cair aos pés de grandes pensadores como Epicuro, que, caprichosamente, levantou a questão paradoxal acerca da relação de deus e o mal.

Enfim! Quero que todos compreendam que não estou me expondo com a intenção de me desfazer da igreja, também não é por arrogância ou insolência. Eu entendi que precisava fazer isto para não continuar prisioneiro do medo, pois quando nos rendemos a ele, temendo as perdas por causa do preconceito, somos acometidos pela angústia e a depressão que suga toda nossa alegria de viver.


Agora, quero ajudar outros pastores, padres e demais líderes religiosos a reencontrarem a alegria da vida.

Um carinhoso abraço a todos,

Josimar Álvaro dos Santos
diretor de cerimônias humanistas da Liga Humanista Secular do Brasil.

Fonte: Gospel  +
Via: http://libertosdoopressor.blogspot.com.br

                TRISTE!!!!

terça-feira, 19 de junho de 2012

Menino de 11 anos é ordenado pastor em igreja pentecostal nos EUA


De terno e com a "Bíblia" nas mãos, o jovem pastor Ezekiel Stoddard, de 11 anos, fala para adolescentes vestidos com camisetas em uma reunião jovem no sudeste de Washington. O assunto em questão era o medo.

- Hoje, meu sermão é intitulado 'Não tenha medo' - começa o pastor. Ele diz entender que jovens possam ser afligidos por perigos e dúvidas, mas que Deus vai tomar conta deles mesmo que eles O deixem.

O sermão é intermeado de referências a passagens bíblicas e gritos de amém dos fiéis. Os mais altos são de sua mãe, que da primeira fileira registra toda a ação em sua câmera filmadora. Após o discurso, um garoto, aparentando 12 anos, corre para a frente do santuário para oferecer sua vida a Jesus. Até o pastor se impressiona e se mostra surpreendido com a atitude.

Ezekiel foi ordenado pastor na igreja Pentecostal de sua família, em um ato sancionado pelo estado de Maryland, no mês passado. Duas semanas antes, ele se ajoelhou no jardim da casa do Templo Hills onde vive, para procurar a toca de um coelho que achara e analisou cuidadosamente um lagarto que perdera o rabo, seguindo a curiosidade típica de sua idade.

Ezekiel faz parte de uma tradição centenária que se mantém ao redor do mundo. Mesmo com os países cada vez mais modernos e sofisticados, pastores mirins continuam a ser objeto de fascinação e debate.

Céticos sugerem que eles são mais motivados pela atenção que recebem e pelo empurrãozinho dos país do que por Deus. Afinal de contas, pode uma criança entender a mensagem divina ou os meandros de uma igreja?

Outros, como o reverendo Al Sharpton, que começou a pregar quando tinha 4 anos, acreditam que Deus realmente pode falar através de crianças.

- Deus pode usar qualquer um, por que não uma criança? - questiona David Warren, que faz parte do coral que se apresentou na ordenação de Ezekiel na Igreja Plenitude do Tempo, comandada pelo padrasto do jovem pastor.

Todos ao seu redor concordam que Ezekiel é comprometido e maduro muito além da sua idade. Ele escreve seus próprios sermões, apesar de algumas vezes sua mãe transcrevê-lo.

- Ezekiel realmente estuda a Bíblia - afirma sua mãe, Adrienne Smith, que também é pastora. - Ele irá cruzar referências e irá fundo nas Escrituras.

Além de apreciar os estudos bíblicos, Ezekiel gosta de andar de kart e de basquete - principalmente dos Lakers.

O pequeno pastor diz que Deus falou com ele durante um sonho quando ele tinha apenas oito anos de idade.

- Deus disse: 'Você vai tocar os doentes e vai pregar para os pobres - conta Ezekiel, dizendo que a voz soou como fogo. - Ele disse: "Filho, você será alguém".

Autoconfiante e surpreendentemente articulado, Ezekiel seguiu esse caminho.

- O reino de Deus está na mão - garantiu, no sermão de sua ordenação, mãos ao ar parecendo alcançar todos os cerca de 50 presentes. - Arrepender-se. Arrepender-se pode ser mais profundo do que você imagina. Você tem que entregar sua vida ao Senhor. Não aja como esse mundo... Tenha sua mente em Cristo - conclama, levando os fiéis à loucura.

Porém, não é só de fiéis seguidores que se compõe o dia a dia de Ezekiel:

- O mais difícil é quando eu falo (aos amigos sobre Jesus), alguns me deixam de lado e dizem "Você não anda mais com a gente". Mas foi pra isso que Deus nos fez. Não somos cristãos para não vivenciar nada. Deus quer que passemos por tudo para nos fazer mais forte em Sua palavra.

E os adultos também podem ser duros com o jovem pastor.

- Vários adultos me encaram como se eu fosse apenas uma piada - diz, sem soar incomodado. - Mas o que eles precisam saber é que, para mim, não é só sobre me tornar famoso e tudo mais. Para mim, é ministrar o Evangelho. Foi o que Deus me inspirou a fazer.



Fonte: Agência O Globo
libertosdoopressor.blogspot.com.br

Coral da Igreja Batista do Tennessee se apresenta em complexo penitenciário de Alagoas


Nesta segunda-feira (18), parte do Coral de Americanos da Igreja Batista do Estado do Tennessee irá se apresentar no auditório do Núcleo Ressocializador da Capital (NRC). A apresentação, que é iniciativa da Coordenação de Assistência Religiosa da Superintendência Geral de Administração Penitenciária (Sgap), vai acontecer no horário entre 13h e 14h.

O grupo, que é composto por 12 americanos, está visitando o Brasil e fará apresentações especiais em Alagoas. Além do Núcleo Ressocializador, o coral também vai cantar em várias igrejas da capital.

Núcleo Ressocializador da Capital

Há alguns anos, o presídio Rubens Quintella era conhecido por ser palco de rebeliões constantes e também pela violência que existia nesses conflitos. Após passar por reformas realizadas com a mão de obra carcerária, e reinaugurada em quatro de agosto, a unidade passou a ser chamada de Núcleo Ressocializador da Capital, adotando a metodologia baseada nos Módulos de Respeito.

A abertura do Núcleo foi inspirada em experiências desenvolvidas na cidade de Leon, na Espanha e que foram trazidas para o Brasil inicialmente pelo estado de Goiás. Segundo a metodologia do Módulo de Respeito, a convivência na unidade deve ter como bases o diálogo, a transparência e a honradez. O objetivo principal dessa iniciativa é criar oportunidades para que o interno que se dispõe a dar um novo rumo a sua vida tenha meios para conseguir isso.




Fonte: Superintendência Geral de Administração Penitenciária - SGAP

sexta-feira, 15 de junho de 2012

COREIA DO SUL RETIRA TEORIA DA EVOLUÇÃO DO CURRÍCULO ESCOLAR‏*

Por Wesley Moreira

O Darwinismo foi derrotado na Coreia do Sul. O melhor sistema educacional do mundo rejeitou a evolução das espécies como teoria científica.

Uma petição para remover referências à evolução das espécies do ensino médio e de livros didáticos reivindicada no mês passado foi atendida depois que o Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia (MEST) revelou que há uma grande manipulação de dados ciêntificos feitos para apoiar a teoria da evolução.
Mesmo o instituto líder em matérias ciêntificas da nação, o Korea Advanced Institute of Science and Technology – tem um “showroom” da ciência da criação em seu campus. O instituto também tem uma Associação de Pesquisa totalmente voltada para a Ciência da Criação, que é dirigido por professores e alunos.

Um levantamento feito entre os professores estagiários no país concluiu que a crença religiosa não foi um fator determinante na rejeição da evolução. A pesquisa também descobriu que 40% dos professores de biologia concordam com a afirmação de que “grande parte da comunidade científica tem dúvidas se a evolução realmente ocorre”, e a outra metade discordou que “os seres humanos modernos são o produto de processos evolutivos”.

A Coreia do Sul lidera o ranking mundial em educação cientifica, matemática e leitura entre os paises: (veja a imagem)


Os ateístas americanos que despejaram milhões de dolares em seu lobby financeiro para manter a evolução como teoria cientifca na Coreia do Sul apelaram para a ONU que já estuda estratégias para pressionar o país asiático.

O criacionismo revela que há um criador, que há um propósito maior para nossa existência. Não somos animais cujo objetivo único é a busca do prazer. Se temos um propósito então somos responsáveis em buscar esse propósito maior. Logo, já não devemos fazer o que queremos, conforme desejamos quando motivados pelo prazer mais imediato. Somos responsaveis perante o criador pelo que fazemos de bem e de mau através da vida que ele nos deu de graça.

Fonte: Uncommon Descent.

*Retirado do blog http://blogdopastorfabricio.blogspot.com.br/

Via: http://prneemiaslima.blogspot.com.br

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Menina de 4 anos desaparece durante evento na Igreja Deus Amor



A garotinha Brenda Gabriela tem quatro anos de idade; 90 cm de altura; magra; cor branca; cabelo castanho claro, comprido e encaracolado.

Ela desapareceu no domingo próximo passado, 10 de Junho, durante a realização de culto da Igreja Pentecostal Deus é Amor, sede nacional da denominação, no centro da cidade de São Paulo.

O site da IPDA divulga foto e telefones para quem tiver informações: ligar para 190 - Policia Militar ou à Igreja Pentecostal Deus é Amor 55 11 3347-4702.


Segundo o site G1, Brenda estava acompanhada de Geiza Mari Silva, sua mãe e de um irmão quando por volta de 16 horas houve o desaparecimento. Ela participava de uma passeata, com aproximadamente 60 mil pessoas, em que se comemorava os 50 anos de existência da igreja. A Polícia Militar foi acionada e trabalha no caso.

E.A.G.

Via: UBE Blogs

Não olhe para o tamanho dos gigantes olhe para o tamanho das uvas




Nm 13:31 Porém, os homens que com ele subiram disseram: Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós.

32 - E infamaram a terra que tinham espiado, dizendo aos filhos de Israel: A terra, pela qual passamos a espiá-la, é terra que consome os seus moradores; e todo o povo que vimos nela são homens de grande estatura.

Nm 14:6 E Josué, filho de Num, e Calebe filho de Jefoné, dos que espiaram a terra, rasgaram as suas vestes.

7 E falaram a toda a congregação dos filhos de Israel, dizendo: A terra pela qual passamos a espiar é terra muito boa.

Para onde você tem voltado sua atenção, para os obstáculos que estão a frente do que seu alvo ou para o tamanho do seu alvo? Você tem acreditado no poder de deus para te dar o que Ele mesmo prometeu ou você está na dúvida de que irá receber pois é muito difícil pra você chegar até lá? Você descansa no que Deus te falou ou está orando para Deus cumprir a promessa em tua vida? Ou ainda está orando para Deus antecipar as coisas ou somente pedindo graça enquanto os dias passam?

Analise amigo você diz que confia em Deus mas na hora principal você duvida. É muito fácil acreditar que Deus irá fazer quando se desconhece a situação da nossa “Terra Prometida”, mas quando a conhecemos e se da conta de que ela é cercada de gigantes aí vem a dúvida será que eu vou conseguir?

Primeira coisa: Se Deus prometeu quem irá fazer é ele e não você;


Segunda: Não há obstáculos nem giganates fortes o bastante para impedir um plano de Deus;


Terceiro: Se Ele ainda não cumpriu é porque ainda está em fase de acabamento;


Quarto: Não queira receber antecipadamente o que Deus tem pra ti que te será por atrapalho;


Se anime querido não deixe o tamanho nem a quantidade de giganates que estão guardando a tua benção tirarem a tua confiança no teu Deus. Olhe e delicie-se com o tamanho da benção que você receberá, pense em como será ter a promessa de Deus cumprida em tua vida, como tudo será diferente.


NÃO OLHE PARA O TAMANHO DOS GIGANTES OLHE PARA O TAMANHO DAS UVAS.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Pastor dos EUA dá recado aos ateus: 'Este país é cristão; saiam daqui!'


No domingo (3), durante um culto, o pastor John Hagee (foto), 72, líder de uma megaigreja com sede em San Antonio, Texas, mandou um recado aos ateus dos Estados Unidos: “Este país não foi construído para os ateus, nem por ateus. Foi construído pelo povo cristão que acredita na palavra de Deus. Se vocês se sentem ofendidos com a nossa crença em Deus, existem aviões que saem de hora em hora para qualquer lugar do planeta Terra. Nós não queremos vocês e não vamos sentir a sua falta. Eu garanto.” Os fiéis aplaudiram.

O vídeo da pregação do pastor repercutiu em blogs e sites ateístas, acompanhado com o comentário de que se trata de mais uma demonstração do “amor cristão”. Ironia à parte, o esprit de corps funcionou: nenhum pastor sensato se dignou a criticar publicamente a intolerância do colega.

A ira de Hagee veio à tona provavelmente porque o movimento ateísta vem obtendo cada vez mais visibilidade nos Estados Unidos, com a realização de encontros e promoção de outdoors.

Há ainda o momento eleitoral. Depois que o presidente Barack Obama, candidato à reeleição, afirmou que é favorável ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, pastores não têm perdido oportunidade para criticá-lo.

Hagee, na pregação daquele dia, lamentou que Obama tivesse declarado a jornalistas estrangeiros que os Estados Unidos não são uma nação cristã. “Ele está absolutamente errado”, disse. “Fomos, somos e seremos sempre um povo que lê a Bíblia, um povo cristão.”

Na disseminação do ódio, Hagee é, por assim dizer, democrático. Já atacou judeus, islâmicos e católicos. Sua igreja tem 160 emissoras de TV e 50 de rádio. Seus programas são transmitidos em países na África e Europa, além dos Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia. A mensagem de “amor” do pastor chega a cerca de 100 milhões de casas.



Fonte: Paulopes com informações de Examiner

LANÇAMENTO DO MEU LIVRO, EM BREVE

Postagens Recentes